A cirurgia bariátrica está presente na vida médica desde os anos 1980, e é um importante procedimento para devolver a saúde e o bem-estar em pacientes que sofrem com a obesidade. No entanto, apesar de ela ser altamente eficaz, com o avanço das práticas médicas — impulsionadas principalmente pela tecnologia — hoje também é possível contar com a cirurgia metabólica.
Apesar das semelhanças entre os procedimentos, é necessário que o paciente entenda suas diferenças e qual é o foco de combate de cada uma
delas, de modo que junto a equipe médica faça a melhor escolha correspondente ao combate do problema de saúde.

 

As principais diferenças entre cirurgia bariátrica e cirurgia metabólica

Antes de entendermos as principais diferenças técnicas entre a cirurgia bariátrica e metabólica, precisamos compreender que a segunda foi
desenvolvida por meio de estudos e observações realizadas durante a diminuição da incidência de diabetes em pacientes com obesidade mórbida e que recorriam ao procedimento bariátrico.
Dessa maneira, é possível começar a entender que a principal diferença entre as duas cirurgias é que o procedimento metabólico não tem um foco exclusivo na redução da obesidade, mas sim nas doenças que são desenvolvidas a partir dessa condição.
Para pacientes que sofrem de obesidade grau III, ou seja, a obesidade mórbida, a primeira opção cirúrgica precisa ser o procedimento bariátrico, já que há a necessidade de redução do IMC (Índice de Massa Corporal) para que possa, então, realizar o tratamento das doenças.
No entanto, a cirurgia metabólica pode ser uma excelente opção para pacientes com sobrepeso que ainda não são considerados grau III, porém já apresentem indícios de doenças como hipertensão, diabetes tipo 2 ou problemas cardiovasculares.

 

Principais benefícios da cirurgia metabólica

Por se tratar de uma evolução da cirurgia bariátrica, a cirurgia metabólica tem grandes benefícios para os pacientes que buscam um tratamento focado nas doenças que surgiram durante o sobrepeso.
Entre as vantagens do procedimento, destacam-se:
– Queda significativa dos níveis de LDL (conhecimento como colesterol ruim);
– Melhor estabilidade da pressão arterial, reduzindo o risco de doenças cardiovasculares;
– Controle do excesso de peso;
– Alteração nos hormônios que causam obesidade, sendo eficaz no tratamento da diabetes tipo 2.

A cirurgia metabólica pode servir como um meio de cura para doenças endócrinas, que além da diabetes tipo 2, podem surgir na forma de
hipertensão, hiperuricemia e hipercolesterolemia.

 

Pré-requisitos para a realização da cirurgia metabólica

Como já dito anteriormente, o primeiro fator que condiciona o paciente para a realização do procedimento metabólico é a obesidade tida como grave, em um nível precedente ao grau III.
Entretanto, além da observação cautelosa ao IMC, o paciente deve ter entre 30 a 70 anos e, caso haja o diagnóstico da diabetes tipo 2, o mesmo deve ter sido definido em menos de 10 anos para que possa se beneficiar da cirurgia de maneira segura e eficaz.
Sendo assim, podemos concluir que a cirurgia metabólica serve como uma evolução para o procedimento bariátrico, que tem como foco de atuação não somente a redução de peso, mas o tratamento das doenças desenvolvidas pela condição.

Saiba mais sobre como funciona o nosso Instituto e como são feitos os procedimentos em quadros de obesidade.